Com equipamentos parados, Polícia Científica do Paraná tem 1,7 mil amostras na fila para serem anali

Freezer que acondiciona amostras que ainda não foram analisadas. (Foto: divulgação)

Quatro dos principais equipamentos de análise instrumental da Polícia Científica do Paraná – que congrega o Instituto Médico-Legal (IML) e o Instituto de Criminalística (IC) – estão parados por falta de manutenção ou de insumos. O órgão é responsável por fazer perícias e análises criminais. A “fila” de exames pendentes, como os de dosagem alcoólica, análise de drogas e de venenos já chega a 1,7 mil amostras. Além disso a crise é acirrada pela falta de efetivo: o número de peritos do estado não chega a 30% do previsto em lei.

A situação mais grave foi diagnosticada no IML de Curitiba, onde quatro cromatógrafos do setor de toxicologia estão inoperantes. Dois desses aparelhos – que fazem análises em amostras de sangue para aferir dosagem alcoólica e de canabinóides – estão encostados por falta dos gases que fazem os respectivos equipamentos funcionarem. Outros dois estão parados por falta de manutenção. Estes realizam perícias relativas a medicamentos, pesticidas e drogas, também em amostras de sangue.

Só no IML, a fila de exames pendentes chega a 1,5 mil amostras. A maior parte diz respeito a perícias de alcoolemia e exames toxicológicos. Os freezers que acondicionam as ampolas com material que aguardam análise estão tão abarrotados que o instituto deixou de receber amostras de unidades do interior do Paraná. Algumas delas, como a de Apucarana, já não têm onde guardar os materiais a serem periciados.

“A Polícia Científica está completamente abandonada, jogada às traças no Paraná”, definiu o presidente do Sindicato dos Peritos Oficiais do Paraná (Sinpoapar), Leandro Cerqueira Lima. “O IML está parado. Os peritos estão apenas fazendo trabalhos administrativos, porque, com os equipamentos parados, não há o que fazer”, acrescentou.

No IC, um cromatógrafo do laboratório de ciências químicas e biologia – que faz análise de cocaína e drogas sintéticas, como LSD, ecstasy e lança perfume, além de venenos e líquidos inflamáveis – está parado por falta de gás. O acúmulo chega a 200 exames pendentes.

O laboratório de DNA – que faz análises em sequência de materiais genéticos – tem insumos para operar por mais um mês. Em março, um exame como este conseguiu, por exemplo, comprovar que um homem havia cometido mais de 20 crimes sexuais.

Servidores

Segundo o sindicato, outro aspecto que explicita o sucateamento da Polícia Científica do Paraná é o número de servidores. O órgão tem, hoje, cerca de 300 profissionais na ativa, mas segundo uma lei estadual o efetivo deveria ser de 1,5 mil. O número de peritos criminais é três vezes menor do que determina a legislação: são 176 servidores, ante quadro definido de 600. Na semana passada, o governo inaugurou uma unidade do IC em Pato Branco, mas não destacou nenhum perito para atuar no local.

Sesp

Por meio de nota, a Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp) informou que está ciente do problema. “O conserto dos cromatógrafos está previsto para os próximos dias e os funcionários farão um esforço concentrado para colocar em dia a demanda reprimida”, diz a pasta.

Gazeta do Povo

Recording Studio_edited.jpg

Ouça os nossos
Podcasts!

Em nosso perfil no Spotify você vai encontrar diversos relatos e estudos de caso que vão te entreter e te surpreender.

Seja um dos nossos, filie-se!

  • Instagram ícone social
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social
  • YouTube ícone social